Últimas notícias

Zonta dedica vitória em Goiânia para o pai Joanir

Átila Abreu consegue sexto lugar na corrida 2 e está no top 10 na classificação geral; Galid Osman também pontua na rodada dupla

A Shell começou a temporada de 2020 da Stock Car com vitória de Ricardo Zonta na primeira prova da rodada dupla de Goiânia. O paranaense da equipe Shell RCM dominou a corrida desde a largada e dedicou a vitória ao pai, que ficou internado na UTI devido ao Covid-19 e se recuperou. Zonta deu à Toyota a vitória na corrida de estreia da montadora na Stock Car, com o modelo Corolla.

O melhor resultado entre os pilotos da Shell na segunda corrida foi de Átila Abreu, que terminou na sexta posição. Galid Osman foi o nono colocado na corrida 1, e Gaetano di Mauro não conseguiu completar as duas provas.

Na classificação do campeonato, Zonta é o quarto colocado, com 30 pontos, e Átila também está no top10, em décimo, com 20 pontos. Galid Osman deixa a rodada dupla em 12º na tabela, dois pontos atrás de Abreu.

Na corrida 1, Zonta largou muito bem da pole position e manteve a ponta com facilidade, e Galid subiu para oitavo. Já Átila se manteve em 16º, e Gaetano escapou após um contato e caiu para o fim do pelotão. Em seguida, Di Mauro recolheu para os boxes.

Nas primeiras voltas, o paranaense controlou a diferença em relação aos seus perseguidores, evitando usar o botão de ultrapassagem. Ricardo parou nos boxes para o pit stop obrigatório logo no começo da janela. Quando todos fizeram a operação, o piloto do carro #10 ampliou sua vantagem.

Já Átila, depois de andar em segundo antes do pit stop, voltou à pista em 15º, e Galid continuou entre os dez primeiros. Na parte final da prova, Osman subiu para nono, e Abreu fechou em 16º. Na frente, Zonta seguiu controlando o ritmo para vencer a prova de abertura da temporada.

Na largada da corrida 2, Galid caiu de segundo para quinto, enquanto Zonta pulou de décimo para oitavo, e Átila subiu para 13º. O paranense rapidamente começou a ganhar posições e passou até mesmo Osman para assumir a sexta colocação. Em seguida, o carro #28 foi tocado por um concorrente.

Átila também ganhou posições e subiu para 11º em apenas cinco voltas. A 21 minutos do fim, Zonta fez bela ultrapassagem sobre Allam Khodair na Curva Zero e pulou para o quinto lugar, mas logo depois teve problemas no freio e abandonou, o que levou Abreu ao décimo lugar.

Com uma excelente estratégia, o sorocabano subiu para a sexta colocação depois do pit stop e manteve a posição com segurança até a bandeira quadriculada. Mesmo com problemas de freio, Galid Osman conseguou terminar a corrida 2 na 15ª colocação.

A próxima etapa será a Corrida do Milhão, em Interlagos, no dia 23 de agosto.

O que eles disseram:

“É uma vitória que significa muito para mim. Equipe nova, carro novo, mas no lado emocional sabemos que todo o mundo está passando por muitas dificuldades. Sou muito chegado à família, muitas pessoas perderam entes queridos, pessoas próximas, por causa da Covid, e eu quase perdi o meu pai. Essa vitória é para glorificar a Deus. Para essas pessoas que estão passando dificuldades devido à Covid, o caminho é esse. Estou feliz pela vitória, pela minha família toda, que viu em casa. Dedico a todos eles.”

Ricardo Zonta, piloto do carro #10 da equipe Shell RCM

“Na primeira corrida, sofremos com o baixo desempenho, tomando quase 6 km/h na reta. O equilíbrio nem era tão ruim, apesar de termos arriscado bastante para a corrida no acerto, até para entender mais o carro. O carro era mediano de chão, temos um potencial para melhorar, mas deu para entender bastante. Diante do cenário, com todo mundo fazendo uma estratégia para a primeira corrida, sabíamos que tínhamos uma pequena chance de chegar entre os dez, mas como não tínhamos ritmo, focamos mais na corrida 2. Abastecemos e trocamos o pneu externo para ter um melhor equilíbrio no carro para a corrida 2 e esperando um safety car para juntar todo mundo e ganhar uma vantagem. De fato, aconteceu o que imaginamos. O safety car antes da janela ajudou um pouco os outros porque eles não precisaram colocar tanto combustível, mas nos colocou mais na frente. Saio daqui com um certo alívio, conseguindo salvar alguns pontos, mas preocupado com o desempenho. A velocidade de reta foi o grande calcanhar de Aquiles, precisamos melhorar isso para sermos competitivos. Acredito muito no trabalho da equipe para a próxima corrida, arrumar tudo isso, tentar entender para que possamos vir mais fortes para brigar por vitórias.”

Átila Abreu, piloto do carro #51 da equipe Shell V-Power Crown Racing

“Andamos dentro do top10 durante todo o fim de semana. Foi um início positivo para uma temporada de carro novo em equipe nova. No quali, faltou menos de meio décimo para largarmos em quarto. Tive um problema sério de freio nas duas corridas, sabia que as duas seriam bem difíceis por conta disso. Na segunda corrida, teve a infelicidade de um toque que me jogou para o fim do pelotão, mas os problemas de freio e pneu me atrapalhariam muito do mesmo jeito. Apesar de tudo, o fim de semana teve um resultado positivo, conseguimos pontuar nas duas corridas e nos deixar em uma posição próxima das nossas ambições para a temporada de estar andando dentro do top10.””

Galid Osman, piloto do carro #28 da equipe Shell V-Power Crown Racing

“Foi um fim de semana em que não tive muita sorte. Logo na largada, na primeira curva da corrida 1, outro piloto saiu da pista e, voltando ao traçado, me espremeu contra outro piloto. Bati e não consegui continuar, meu carro quebrou e tive de abandonar. A equipe fez um bom trabalho e reconstruiu o carro para a segunda prova. Alinhamos no grid e tivemos um pneu furado. Naquele momento, os comissários não permitiam mais a troca do pneu, por regulamento. Se houvesse a troca, não poderíamos participar da corrida. Como o pneu estava murcho, não tínhamos condições de chegar aos boxes. A única forma de chegar ao box era trocando o pneu, então tivemos de recolher o carro. Um fim de semana de box praticamente.”

Gaetano di Mauro, piloto do carro #11 da equipe Shell Vogel Motorsports