Últimas notícias

Vencedores do Milhão: Rubens Barrichello, 2014

Disputa emocionante com Thiago Camilo, a conquista da primeira vitória na Stock Car e a quebra de uma “maldição”

Depois de quatro edições consecutivas, a Corrida do Milhão mudava, pela segunda vez em sua história, de pista. Goiânia juntou-se ao panteão formado por Jacarepaguá e Interlagos e recebeu pela primeira vez, em 2014, a milionária prova. Assim como aconteceu com Valdeno Brito na primeira edição, em 2008, Rubens Barrichello conquistou sua primeira vitória na Stock Car justamente na Corrida do Milhão.

Olhando para trás, o sentimento do piloto da Full Time é misto. Comemorar mais por ser a primeira vitória ou por ser uma vitória da Corrida do Milhão? “As duas coisas, mas o que mais me chamou atenção foi que naquela manhã meu filho Eduardo chegou em mim e perguntou: ‘tá pronto pra vencer?’ Falei que a gente não podia cantar vitória antes do tempo, mas que eu ia dar o máximo. Ele respondeu dizendo que sentia que eu ia vencer, e ficou repetindo. Foi emocionante por eu ter cruzado a bandeirada em primeiro, como também por ter acontecido tudo isso. Ganhar a Corrida do Milhão, que é uma prova que tem a mesma estratégia para todos, foi a forma mais competitiva e a melhor que tinha para vencer”, lembrou Rubens.

Foi a primeira vez na história da prova que o vencedor do milhão de reais saiu da pole position. Até então, largar na frente era quase sinal de má sorte. No entanto, Barrichello não teve vida nada fácil. Ele foi pressionado quase que por toda a prova por Thiago Camilo, que buscava a terceira vitória na prova. E o final foi emocionante.

“A pressão do Camilo foi intensa. Ele estava mais rápido que eu e acho que ganhei a corrida quando ele colocou por dentro, me passou, e consegui retomar na saída da curva 1. Porque se ele conclui a ultrapassagem, ele teria aberto alguma vantagem e mesmo eu tendo um push a mais eu não conseguiria recuperar”, lembra.

Depois da bandeirada e de ouvir um “você é especial” pelo rádio vindo do chefe de equipe Maurício Ferreira, Barrichello ainda pôde comemorar em cima do carro ao lado do filho Eduardo, que “previu” a vitória. “Todo mundo sabe que minha família é tudo nessa vida, a gente está junto em uma prova dessa em que o Dudu comemorou junto comigo no carro, foi melhor do que qualquer outra situação que eu já tinha passado até na Fórmula 1. Estar com os filhos só triplicou o valor daquela vitória”, recorda.

O prêmio foi dividido em 50% com a equipe, e uma porcentagem de sua parte Rubinho direcionou ao Instituto Família Barrichello, uma organização sem fins lucrativos criada pelo piloto em 2005 e que desenvolve projetos sociais por meio do esporte e atinge cerca de 2 mil pessoas por ano em São Paulo. “E também um pouco para o futuro das crianças”.