Últimas notícias

Daniel Mageste vence a prova da seletiva Crown

Prova em Interlagos foi muito movimentada, com inúmeras trocas na liderança e estratégias diferenciadas

A primeira etapa da seletiva da Crown e W2 Racing na plataforma Automobilista teve todos os ingredientes que fazem da Stock Car a mais tradicional categoria do esporte a motor no Brasil: disputas em todos os pelotões, múltiplas estratégias, inúmeras trocas de liderança, punições embaralhando a disputa e um festival de ultrapassagens. No fim dos 50 minutos de corrida em Interlagos prevaleceu Daniel Mageste. Eraldo Silva e Lorenzo Roth completaram o pódio.

Depois de 14 carros no mesmo segundo no quali (e todos do grid separados por apenas 1.3 segundo), estava claro que a competitividade seria altíssima.

A configuração da corrida obrigava duas paradas no box, permitindo aos pilotos ousarem no seu planejamento de box. Foi o caso de Lorenzo Roth e João Brito, que surpreenderam em primeiro e segundo depois da primeira rodada de paradas, arriscando um pit mais curto no início.

Mas o dia era de Mageste.

É verdade que o contato entre Tadeu Costa e Diego Corseuil favoreceu seu trabalho. Mas o piloto do carro #02 foi impecável na tocada. Largou em segundo no grid e poderia ter assumido a dianteira na tomada do S do Senna, mas respeitou o espaço de Tadeu para evitar contato.

Depois protagonizou um pega fantástico com Eraldo Silva. Os dois invertiam posição, favorecidos pelo push-to-pass na reta, durante voltas e voltas seguidas. No fim, Mageste acabou levando a melhor após duelarem emparelhados por praticamente todo o primeiro setor de Interlagos.

Eraldo, por sua vez, segurou bem o segundo lugar. A disputa com Mageste desgastou seus pneus e, na volta final, acabou atacado por Lorenzo que vinha com quatro pneus novos do último pit. Um último acionamento do botão de ultrapassagem na subida do Café rendeu ao carro #03 a segunda posição.

O pole Tadeu Costa mostrou excelente poder de reação e um formidável ritmo de prova. Punido por contato com Corseuil no início da prova, ele cumpriu drive-thru e escalou o pelotão novamente, para terminar em quarto. Renato Turelli completou o top5.

A próxima e última etapa da seletiva Crown e W2 Racing na plataforma Automobilista está marcada para o dia 9 de junho, em Goiânia.

Antes, no dia 2, acontece a segunda e última etapa da seletiva em iRacing, na pista de Daytona.

Os vencedores em cada plataforma são os pilotos que somarem o maior número de pontos nas duas provas, aplicada a pontuação da Stock Car. Se o mesmo competidor prevalecer tanto no iRacing quanto no Automobilista, fica com a segunda vaga como representante oficial das equipes Crown e W2 em automobilismo virtual o vice-campeão em iRacing.

Os dois pilotos selecionados terão atributos e obrigações idênticos aos dos representantes regulares das equipes. Eles participarão de fim de semana de competição na Stock Car, tomando parte em reuniões com engenheiros, briefing de telemetria, acompanhamento da comunicação entre carro e box pelo rádio, atendimento à imprensa e interação com fãs nas visitações de box. Ainda recebem patrocínio no valor de uma assinatura anual do iRacing e inscrição em até cinco eventos de automobilismo virtual recomendados pelas equipes Crown e W2. Eles competirão ao longo do ano com as cores das escuderias em seus compromissos nos simuladores.

 

A corrida

O quali já mostrou que a noite seria de fortes emoções em Interlagos. Nada menos que 14 pilotos marcando voltas com diferença menor do que um segundo. Os 25 pilotos que completaram voltas rápidas na classificatória ficaram separados por impressionantes 1.3 segundo.

As três primeiras filas do grid inicial ficaram com: Tadeu Costa e Daniel Mageste; Eraldo Silva e Welington Gandin; Diego Corseuil e Lorenzo Roth.

Na largada Tadeu Costa defendeu bem, por fora, no S do Senna, após ataque de Daniel Mageste. A tentativa de Mageste acabou lhe custando a segunda posição para Diego Corseuil, que aproveitou a oportunidade e assumiu a vice-liderança no início.

Assim como nos carros reais da Stock Car, os carros virtuais também estavam equipados com o push to pass. Os líderes Tadeu Costa e Diego Corseuil utilizaram o aditivo ainda na primeira volta, Daniel Mageste, percebendo o uso do botão pelos líderes, acionou seu uso também. Tadeu levou a pior nessa disputa entre os três primeiros colocados com a potência máxima disponível, o piloto caiu da primeira para a terceira posição após a ação. Corseuil era líder no momento, seguido por Mageste na segunda posição.

A corrida continuava movimentada nas primeiras posições, Daniel Mageste assumiu a primeira posição na terceira volta. Corseuil em tentativa de defesa da posição acabou fazendo uma espécie de drift no S do Senna, o que possibilitou a reaproximação de Tadeu na disputa pela ponta do pelotão.

Na abertura da volta de número seis, Tadeu tentou novo ataque em Corseuil no S do Senna, Tadeu não conseguiu concretizar a manobra para assumir a segunda posição. A constante disputa entre os líderes fez com que o quarto colocado, Eraldo Silva, se colocasse de vez na disputa pela liderança.

No giro seguinte, Tadeu Costa conseguiu concretizar a ultrapassagem em cima de Diego Corseuil na Decida do Lago. Os quatro primeiros colocados andavam praticamente sem diferença nenhuma entre eles. Assim, a briga pelas primeiras posições ganhou mais um participante, Renato Turelli. Ele se aproveitou do tempo perdido pelos ataques para também ingressar no pelotão de elite.

Diego Corseuil reconquistou a posição que havia perdido para Tadeu Costa no Café. Mas quem mais se beneficiou da disputa entre eles foi Daniel Mageste, que com o botão de ultrapassagem novamente pulou de terceiro para a liderança da prova.

Em disputa na freada do S do Senna, Tadeu e Corseuil se tocaram, o carro de Corseuil rodou e a direção de prova puniu Tadeu Costa com um drive-thru ao final daquela mesma volta. Daniel Mageste se beneficiou do incidente entre seus perseguidores e conseguiu certa folga na ponta do pelotão. Naquele momento, seus perseguidores mais próximos eram Eraldo Silva, Renato Turelli e Lorenzo Roth. Corseuil conseguiu voltar para a pista na quinta posição, amenizado o prejuízo causado pelo toque.

Com a parada de Daniel Mageste na abertura do 12º giro, Eraldo Silva assumiu a liderança. Renato Turelli era segundo e o terceiro colocado era Lorenzo Roth, que se aproximava cada vez mais da briga pela liderança. Corseuil e João Brito completavam o top5. A grande maioria do pelotão também parou nos boxes ao final da 12ª volta, exceto por Caetano Paiva que continuou na pista, assumindo assim a liderança momentânea da prova.

Com o pelotão reestabelecido após todas as paradas, o destaque da prova era Lorenzo Roth que abriu impressionantes 10 segundos de vantagem na liderança graças a um pit-stop muito veloz. João Brito assumiu a segunda posição também com um pit-stop muito eficiente. Eraldo Silva e Daniel Mageste se alternavam volta após volta na terceira posição. Diego Corseuil seguia em sua corrida de recuperação tentando se aproximar da disputa pela terceira posição.

Na 17ª volta, após passarem o primeiro setor inteiro com os carros emparelhados, Daniel Mageste conseguiu completar a ultrapassagem que valeu a terceira posição. O respiro na disputa com Eraldo fez com que Mageste alcançasse João Brito, que vinha com pneus mais desgastados por causa de seu rápido pit-stop. Assim Mageste concluiu o giro na vice-liderança.

Já em disputa pela 18ª volta, Eraldo Silva ultrapassou João Brito na Junção e ao final da reta principal, Diego Corseuil também concretizou a ultrapassagem em cima de João Brito.

Com menos de 20 minutos para o final da prova, Mageste abria perseguição ao líder Lorenzo Roth, com diferença na casa dos 10 segundos. Mas o líder precisou parar nos boxes para trocar os quatro pneus, o que lhe custou 15 posições. João Brito, que seguiu a mesma estratégia de parada, também trocou o jogo de pneus e voltou em 17º, uma posição atrás de Lorenzo.

Com isso Mageste assumiu a liderança com dois segundos de frente para Diego Corseuil. Eraldo Silva seguia colado em Corseuil na terceira posição. Rogério Santos e Renato Turelli fechavam os cinco primeiros colocados.

Corseuil vinha cortando a boa diferença para o líder, mas o foi punido com um drive-thru que lhe custou a segunda posição. Assim, Eraldo Silva assumiu de vez a vice-liderança da prova.

Na 25ª volta, Mageste precisou parar nos boxes, com isso Eraldo Silva assumia a dianteira. Eraldo mantinha uma diferença enorme que batia na casa dos 30 segundos para o vice-líder Mageste. Lorenzo Roth era o terceiro depois de duas paradas. Então vinha Tadeu Silva em quarto, numa impressionante recuperação após o drive-thru no princípio da corrida.

Eraldo Silva parou nos boxes na abertura da volta 27. Após trocar apenas um pneu, o piloto voltou para pista tendo perdido apenas uma posição. A diferença para o líder Daniel Mageste era de cerca de um segundo. Roth era terceiro, Tadeu Costa o quarto e Renan Oliveira o quinto.

Após 28 voltas completadas, Corseuil recebeu nova punição. O piloto passou em seu drive-thru em velocidade superior ao permitido dentro dos pits. Cumprida a segunda punição da prova, Coresuil caiu da quinta para a décima quarta posição, o que praticamente acabou com suas esperanças na corrida.

Com mais de quatro segundos na abertura da última volta, Mageste segurava sua liderança com certa tranquilidade. A disputa ficou então entre Eraldo Silva e Lorenzo Roth que abriram a volta com diferença entre eles de apenas um segundo. Tadeu Costa e Renato Turelli eram quarto e quinto colocados respectivamente.

Daniel Mageste recebeu a bandeirada final na primeira posição. Mas a disputa pela vice-liderança perdurou até a última curva. Lorenzo Roth tentou o ataque em Eraldo Costa na Junção, mas o vice-líder ainda tinha um push na manga, que foi providencial para a defesa de sua posição final. Com isso Eraldo recebeu a bandeirada na segunda colocação e Lorenzo foi terceiro. Tadeu Costa e Renato Turelli completaram o top 5.

Outros destaques da etapa foram Rogério Santos Neto, que conseguiu a sexta posição após corrida de impressionantes 13 ultrapassagens. Quem mais ganhou posições ao longo dos 50 minutos de prova foi Renato Roveda que conseguiu nada menos que 15 posições para receber a bandeirada final na 12ª colocação.

 

Resultado da prova*:

  1. Daniel Mageste
  2. Eraldo Silva
  3. Lorenzo Roth
  4. Tadeu Costa
  5. Renato Turelli
  6. Rogerio Santos Neto
  7. Renan Oliveira
  8. Diogo Garcia
  9. João Brito
  10. Matheus Machado
  11. Diego Corseuil
  12. Renato Roveda
  13. Guilherme de Bellis
  14. Douglas Garcia
  15. Ricardo Rick
  16. Nicolas Lelis
  17. Guilherme Dias
  18. Esdras Souza
  19. Caetano Paiva
  20. Alessandro Monteiro
  21. Paulo Nunes
  22. Vinicius Cardoso
  23. Wellington Gandin
  24. Mike dos Santos
  25. Pedro Picanço

(*) Resultado sujeito a verificação dos comissários

 

O que eles disseram:

“É uma honra participar dessa prova e tenho que parabenizar meus colegas no pódio. Tenho 18 anos de AV. Isso fez meu sonho de piloto nascer e amadurecer, depois comecei no kart amador, no kartismo e na Fórmula Inter. No início Diego e Tadeu estavam muito agressivos, dando porta com porta e achei que poderia sobrar. Queria ficar na frente deles, especialmente do Tadeu, que tinha um ritmo muito forte na corrida. Aí os dois se enroscaram e felizmente estava rápido para seguir. Semana passada minha família perdeu o patriarca, então é especial dedicar essa vitória ao meu avô Manuel Mageste. Seu lema era “agradecer, aceitar e levar”. E isso consegui hoje”

Daniel Mageste

 

“A corrida foi um negócio pra lá de absurdo de bom. A largada foi excelente, especialmente do pessoal da frente. Vim tentando buscar e deu certo pois os líderes vinham disputando forte curva a curva. O ponto chave da corrida foi quando Diego e Tadeu se enroscaram, daí eu e o Mageste ligamos o push e acabamos deixando os dois para trás. A disputa com o Mageste foi sensacional. A estratégia foi diferente do Lorenzo, larguei pesado e troquei todos os pneus. No fim tive problemas de pneus, estavam na lona e por isso perdi rendimento. Foi um resultado excelente e Goiânia está aí. Parabéns para o Mageste e o Lorenzo pelo pódio, e para a Crown e W2 Racing pelo evento fantástico”

Eraldo Silva

 

“Foi uma estratégia que treinei com meu companheiro. Primeira parada apenas 60l de combustível e o pneu traseiro direito. Queria tentar alguma coisa diferente e acabou dando certo, pois sabia que não tinha o mesmo ritmo dos líderes. Então voltei para a pista e na segunda parada troquei os quatro pneus e saímos com o tanque cheio. Funcionou, pois terminei em terceiro com chance de ser segundo”

Lorenzo Roth

 

“A corrida foi supermovimentada. Parabéns ao Daniel, Eraldo e Lorenzo. Muito legal ver o piloto empenhado em guiar e ainda elaborar sua estratégia. Foi incrível ouvir o depoimento do Daniel depois da corrida e perceber o tanto que estava emocionado. É isso que buscamos: a paixão. Estou muito contente com o resultado da etapa, os números de audiência foram expressivos e tenho certeza que teremos dois grandes pilotos representando nossos times Crown e W2”

Duda Pamplona, chefe da equipe Crown Racing