Stock Car disputa pela primeira vez rodada dupla no menor autódromo da temporada

Valdeno Brito e Popó Bueno, pilotos da equipe Shell Racing, alertam para desgaste excessivo dos freios na etapa deste final de semana

A Stock Car disputa neste final de semana, no Rio Grande do Sul, a primeira rodada dupla da história do menor autódromo da temporada, o Velopark. Com retas mais curtas que o usual, os pilotos da equipe Shell Racing, Valdeno Brito e Popó Bueno, destacam o excessivo desgaste físico e também do carro nesta pista, sobretudo em relação aos freios.

"Embora seja a menor pista do ano, ela é bastante técnica, com dois trechos de miolo bem seletivos e freadas fortes", explica Valdeno, um dos destaques da Stock Car em 2014, estando sempre entre os primeiros do campeonato. Na etapa passada, disputada sob forte chuva em Curitiba, o paraibano subiu no pódio com o segundo lugar após três belas manobras de ultrapassagem com pista molhada.

"Acredito que temos boas chances de brigar pelo pódio no Velopark, onde é mais do que nunca fundamental largar bem para escapar das confusões da largada, sempre muito complicada nesta pista", completa Valdeno, que está em sexto lugar no campeonato, com 98 pontos (o atual líder tem 119,5).

Popó destaca que, como a reta é mais curta, os pilotos quase não usam a sexta marca, e os freios sofrem mais desgaste justamente porque há menor refrigeração por conta da extensão abreviada das retas. "Gosto do circuito do Velopark, onde já larguei entre os primeiros e subi no pódio. Vamos torcer para que a chuva não apareça no final de semana e possamos fazer uma boa classificação para passarmos limpos na primeira volta", comentou Popó.

Para o chefe de equipe da Shell Racing, Rodolpho Mattheis, as características do circuito do Velopark também devem favorecer aqueles que gostam de arriscar na estratégia de parada de box, sobretudo em relação ao reabastecimento com Shell V-Power Etanol, combustível oficial da Stock Car, fornecido pela Raízen a todas as equipes do grid.

"Este é um circuito com alto histórico de entrada de Safety Car, o que pode permitir alguns pilotos a arriscarem tudo na primeira corrida e ainda assim não precisar fazer uma nova parada na prova 2, já que muitas voltas com o carro de segurança reduzem de forma significativa o consumo de combustível", analisou Rodolpho.