Pizzonia se destaca em Santa Cruz

Equipe Prati-Donaduzzi acerta na estratégia e garante o primeiro pódio da temporada

Os paulistas Rubens Barrichello (Full Time) e Ricardo Maurício (RC) dividiram as vitórias na rodada dupla da terceira etapa da Stock Car em Santa Cruz do Sul, mas quem também teve muito o que comemorar neste domingo no interior gaúcho foi o amazonense Antonio Pizzonia. Punido com a última posição do grid na primeira corrida, em função de acidente no início do mês no Velopark, o piloto da Equipe Prati-Donaduzzi foi obrigado a partir para uma estratégia que priorizou exclusivamente o complemento da programação. Mesmo saindo das últimas filas, já que havia completado poucas voltas na primeira bateria para poupar pneus, o botão de ultrapassagem e combustível, Pizzonia foi superado apenas por Maurício e, ao final de uma arremetida sensacional, conquistou o primeiro pódio da temporada para a organização comandada pelo diretor-técnico Rodolpho Mattheis.

Barrichello saiu na pole e venceu com tranquilidade a primeira prova, seguido por Marcos Gomes (Cimed) e Thiago Camilo (Ipiranga/A. Mattheis), exatamente os três primeiros do grid. As maiores emoções, como esperado, ficaram para a segunda, já que diversos pilotos acabaram alterando a sua estratégia em função dos resultados da bateria inicial - Maurício também optou por sacrificar a primeira e foi outro que colheu os frutos da decisão.

Pizzonia saiu em 28º entre os 30 pilotos e ainda encontrou dificuldades nas voltas iniciais, quando pegou um tráfego pesado de pilotos com pneus mais desgastados, porém com ainda várias cargas do botão de ultrapassagem. Quando conseguiu se livrar deles e depois da parada obrigatória para reabastecimento na qual fez apenas um "splash-and-go", ficou retido por Felipe Lapenna (Cavaleiro Racing). Foi então, já na antepenúltima volta, que proporcionou o grande momento do dia: uma ultrapassagem espetacular no fim da reta dos boxes. "Tive de arriscar tudo naquele momento, porque estávamos iguais de push. Felizmente, deu certo", resumiu, depois de descer do pódio ao lado do filho Antonio Neto, devidamente vestido com o macacão roxo da Prati-Donaduzzi.

Ainda na volta de regresso aos boxes, no entanto, Pizzonia fez questão de enaltecer o trabalho da equipe. "Obrigado a todos. Talvez pudesse ser ainda melhor, mas do jeito que chegamos aqui, depois do Velopark, acho que está muito bom", agradeceu. Ex-piloto de Fórmula 1 na década passada, Pizzonia ressaltou a importância do resultado na pista onde, em 2015, venceu sua primeira corrida na Stock Car. "Não fomos felizes no começo do campeonato, por uma série de razões, mas sempre tivemos a velocidade. Agora, espero que este seja o início de uma nova fase. Sempre acreditei em mim mesmo, mesmo quando as coisas não estavam bem. Estou contente em dar ao patrocinador o primeiro pódio dentro da nova estrutura", finalizou.

O paranaense Julio Campos, companheiro de Pizzonia, terminou em 13º e 22º, respectivamente, depois de relatar dificuldades com a excessiva saída de frente do carro principalmente na primeira bateria. A próxima etapa do calendário está marcada para 11 de junho em Cascavel, no oeste paranaense, e é encarada pela Prati-Donaduzzi como a "corrida de casa", já que o fabricante de medicamentos está baseado na cidade vizinha de Toledo.

Depois de seis corridas, Thiago Camilo se isolou na liderança dos pilotos, agora com 94 pontos contra 86 de Daniel Serra e 79 de Átila Abreu. Pizzonia ocupa a 14ª posição com 28, e Campos aparece em 23º com 17.