Lapenna ganha várias posições e termina corrida 1 em Tarumã na sétima posição

Equipe de Amadeu Rodrigues acerta na estratégia e resultado só não foi melhor porque Raphael Abbate sofreu um drive thru na corrida 2 e ainda acabou penalizado após a bandeirada

Como já era esperado, a quinta etapa da temporada 2016 da Stock Car, no Tarumã, em Viamão (RS), apresentou muitas variáveis e estratégias das equipes para as duas baterias da rodada dupla. Com alguns toques e muitas disputas, a primeira prova teve a vitória de Max Wilson e a segunda de Júlio Campos.

Na equipe Hot Car Competições (Bardahl), comandada por Amadeu Rodrigues, a estratégia funcionou muito bem. Felipe Lapenna voou baixo, partindo da 25ª posição para terminar a primeira prova em sétimo. Já o companheiro Raphael Abbate, com problemas, parou nos boxes e jogou suas fichas para a corrida 2.

Na segunda prova, Lapenna largou em quarto, mas precisou parar para a troca de pneus e reabastecimento, como a maioria dos pilotos que priorizou a corrida 1. Já Abbate, sem precisar parar, se manteve na pista e já era o quinto colocado, quando sofreu um drive thru numa disputa com Guga Lima. Mesmo com a punição, ele voltou para a pista e terminou em 12º, mas acabou penalizado em 20 segundos no seu tempo total de prova por ter passado pelo lado de fora da chicane, e acabou fora da zona de pontos. Com isso, Lapenna foi o 15º e somou mais um ponto.

"Nosso final de semana, começou muito bom. Fui quarto no primeiro treino livre. Mas, depois, não sabemos o que aconteceu na classificação e a nossa performance não se transformou no resultado que a gente esperava", lembrou Lapenna.

"Na primeira corrida, o carro ‘acendeu’ novamente e éramos muito rápidos. Ultrapassei muitos pilotos e conseguimos fazer a estratégia priorizando a corrida 1. Ficamos na pista e cheguei em sétimo, que dá mais pontos do que ganhar a segunda corrida. Até poderia ter parado, mas mesmo com o gostinho de estar no pódio na segunda, não marcaríamos muitos pontos", continuou o paulista do Stock Car #110.

"Acho que a ‘zica’ foi embora e agora esperamos marcar mais pontos nas próximas corridas e melhorar nossa classificação para não sair para a tomada de tempos tão cedo. Vamos torcer para em Cascavel o carro estar bom de novo", espera o piloto de 30 anos.

Abbate explicou o problema que enfrentou na corrida 1 e que o obrigou a priorizar a segunda bateria. "Logo que a gente saiu para a volta de apresentação, eu senti que começou a ‘patinar’ a embreagem. Larguei e o carro vinha perdendo muita performance, então falei com a equipe e decidimos abortar a primeira bateria e ‘salvar’ os pneus para a segunda corrida. Tentamos arrumar o carro, mas infelizmente é um problema interno na embreagem. Mesmo assim, fizemos um ajuste fino, mas não melhorou 100%", explicou o piloto do Stock Car #26.

"Mas na corrida o carro veio bem e mesmo com o problema era rápido. Eu estava entre os cinco primeiros, quem sabe poderia até ter conquistado um pódio, mas tive uma disputa com o Guga Lima e os comissários entenderam que eu fiz uma ultrapassagem irregular. Na minha opinião, foi coisa de corrida. Mas agora espero que a gente tenha uma ótima performance em Cascavel para estar brigando pelo pódio de novo", finalizou o paulista de 24 anos.