Khodair e Jimenez

Vencem em Salvador

Um pole e um ocupante da primeira fila não deram chance aos rivais e dividiram as vitórias na rodada dupla da 11ª e penúltima etapa da Stock Car, realizada neste sábado debaixo de forte calor no circuito urbano do Centro Administrativo da Bahia, em Salvador. Allam Khodair (Full Time) ganhou a primeira bateria, enquanto Sérgio Jimenez (Cimed), 9º na primeira e 2º no grid em função do sistema de grid invertido, levou a segunda depois de ultrapassar Rafa Matos (Hot Car) na largada. Foi sua primeira vitória na categoria. Com dois quartos lugares e ajudado pela jornada irregular dos principais rivais, Rubens Barrichello (Full Time) ampliou a liderança restando apenas a corrida do próximo dia 30 em Curitiba.

Apesar da vantagem do veterano ex-piloto da Fórmula 1, o campeonato ainda está indefinido embora tradicionais favoritos, como o pentacampeão Cacá Bueno (Red Bull), o bi Ricardo Maurício e Max Wilson, seu parceiro na RC, já estejam praticamente alijados da disputa ou respirando por aparelhos. O que mantém o quadro em suspense é a pontuação em dobro distribuída no encerramento do calendário, novidade que foi introduzida inclusive na Fórmula 1. O ganhador, por exemplo, somará 48 pontos.

Entre os pilotos que se mantêm no páreo estão os da Prati-Mico’s Racing. Os carros de Júlio Campos e Antonio Pizzonia não mostraram na capital baiana o mesmo desempenho de duas semanas atrás em Tarumã, onde conquistaram uma dobradinha inédita para o time paranaense. Campos, apenas o 22º no grid da primeira prova, conseguiu um 13º e um quarto lugares; Pizzonia foi 6º e abandonou na segunda com o pneu esquerdo traseiro destroçado depois de receber um toque de Felipe Fraga (Vogel). "Perdi 12 pontos certos, mas são coisas que acontecem em corrida", resignou-se Pizzonia.

Ao final da segunda prova, que teve a metade dos 40 minutos de duração da primeira, os comissários desportivos recolheram as imagens da câmera onboard do carro de Campos. "O Átila Abreu me ultrapassou com bandeira amarela no ponto em que o Ricardo Zonta tinha rodado", explicou. Campos lamentou que o dia não tenha sido o dos sonhos da equipe. "O Pizzonia estava com um carro mais rápido que o meu e vai sair daqui com menos pontos."

No final, grande parte das equipes concentrava-se nos números da nova classificação e dos cálculos para o fechamento da temporada. Depois de constatar que a desvantagem em relação ao líder subiu de 18,5 para 30 pontos, Campos sintetizou o clima de confiança dentro da equipe por uma etapa que não refletiu o seu potencial. "Agora, é ganhar ou ganhar". Baseada nas proximidades do autódromo da região metropolitana de Curitiba, a Prati-Mico’s Racing vai correr no quintal de casa.