Pilotos

Julio Campos comemora evolução da equipe

Piloto disputou a Pole Position Hero epla terceira vez consecutiva e entra para o Top10 da classificação

Quem largou na pole se deu melhor na rodada dupla deste domingo no circuito mineiro de Curvelo que fechou a primeira metade do calendário da Stock Car. Mais rápido nos treinos classificatórios, o tocantinense Felipe Fraga (Cimed) dominou a primeira bateria de ponta a ponta, da mesma forma que o paranaense Gabriel Casagrande (Vogel), que partiu na frente da segunda graças ao sistema de grid invertido que o catapultou do 10º lugar na bandeirada quadriculada da corrida 1 para a frente do pelotão no segundo. Mas as provas na empoeirada pista da cidade conhecida como Portal do Cerrado apresentaram outros vencedores: Daniel Serra (RC), que ampliou em mais dois pontos a liderança do campeonato sobre o segundo colocado Thiago Camilo (Ipiranga/A. Mattheis) graças a um segundo e um sexto lugares, e Julio Campos (Prati-Donaduzzi), agora ocupando a 10ª colocação na classificação geral depois da 6ª e da 11ª posições.

Campos – pela terceira vez conquistando uma vaga no cobiçado Top 6 do qualifying – disse que a etapa confirmou duas impressões: o carro da Prati-Donaduzzi é um dos mais rápidos em condições de volta rápida e, ao mesmo tempo, tem potencial para crescer em ritmo de corrida. “Não dá para negar que estamos bastante velozes na classificação, mas precisamos melhorar um pouquinho nas corridas. Este é que será o nosso foco nas próximas etapas. Estamos evoluindo corrida constantemente e vamos trabalhar para crscer ainda mais. É só uma questão de avançar no grip geral, porque o carro é bem balanceado. Só não consigo carregar a mesma velocidade em curva dos principais rivais”, analisou o curitibano, com o rosto ainda vermelho pelo esforço despendido numa jornada em que tanto atacou como se defendeu sob sol forte e temperatura ambiente próxima dos 30 graus.

O amazonense Antonio Pizzonia, companheiro de Campos na Prati-Donaduzzi, regressou aos boxes com o macacão imundo pelo pó que invadiu os carros ao longo das duas corridas. Foi um final de semana complicado pela má sorte na sessão classificatória de sábado, quando uma bandeira vermelha nos instantes finais do Q1 o impediu de ir além do 25º lugar no grid. “Foi ruim porque somei poucos pontos, mas não havia muito a fazer depois daquele problema no qualifying”, observou Pizzonia, que saiu dos boxes na primeira bateria e terminou o dia com um 20º e um 15º. “E ainda sacrifiquei a corrida inicial, abastecendo com mais combustível e optando por uma parada mais curta na segunda, mas o excesso de safety car nos impediu de colher os frutos da estratégia porque muitos também foram para apenas um splash-and-go”, comentou. “Paciência, porque tínhamos um ritmo bom nos treinos e tudo para um domingo produtivo. O consolo é saber que temos confiança de estar no caminho certo.”

A Stock Car abrirá a segunda fase das 12 datas de 2017 no próximo dia 8 de agosto, com a estreia do circuito paulista do Velo Cittá, em Mogi Guaçu.