Faltou pouco para o pódio

Nestor Girolami começa a evoluir na Stock Car. Em Tarumã, onde se sente à vontade, quase emplacou um top-3

A aposta em Tarumã era fazer a primeira corrida normalmente, do início ao final sem fazer a parada de reabastecimento. Plano mais lógico para os pilotos à frente na tabela do campeonato, o contrário mostrava-se também eficiente alternativa. Nestor Girolami e a Eisenbahn Racing Team preferiram decidir durante a corrida, dependendo da situação de pista para optar pelo plano A ou B.

Tirado da corrida na primeira volta em Santa Cruz do Sul na etapa anterior, Girolami foi cuidadoso na saída e optou por atacar somente dois giros depois. Foi subindo, mas parou em Gabriel Casagrande. Na disputa, o argentino saiu da pista, danificando o difusor de seu carro. E aí o plano B entrou em prática.

Bebu entrou nos boxes, a equipe substituiu o difusor, trocou os pneus e encheu o tanque. O argentino voltou à pista só para completar a prova e alinhar no grid para a prova dois. Quando praticamente todos os oponentes teriam de parar logo depois ou economizar o equipamento ao máximo, Girolami estava “bem na fita”: de difusor novo, pneus novos, tanque cheio e 13 acionamentos do push to pass para usar em 30 minutos de corrida.

Saiu da 22ª posição, e com a correria nos boxes a partir da segunda volta, o piloto do carro #63 foi subindo enquanto disputava posição com pilotos que ainda seriam forçados a fazer suas paradas. Já era o quarto, atrás de Sérgio Jimenez e Galid Osman – segundo e terceiro colocados -, quando algo estranho aconteceu: o argentino sentiu algo se quebrar na parte da frente do carro. Seus tempos de volta começaram a subir, o pneu dianteiro direito passou a sentir o esforço e ameaçava não suportar. Foi o fim para Girolami.

“Nem tenho o que dizer. Apostamos em uma estratégia que nos dava a possibilidade de subir ao pódio, mas algo quebrou na frente do carro e ficou impossível de pilotar, não dava para acelerar. Realmente foi uma pena, pois havia guardado 13 acionamentos do push na segunda corrida, estava em quarto e tudo ia bem. Aí apareceu o problema e eu não pude fazer mais nada”, lamentou Girolami.

“O potencial da equipe subiu muito neste ano, e a prova disso temos com os bons resultados do meu companheiro de equipe”, falou, referindo-se ao gaúcho Vitor Genz, 11º colocado na tabela de classificação da temporada. “Vamos continuar com muito trabalho e dedicação, sem baixar os braços. Nem mais, nem menos”, concluiu.