Etapa de Goiânia cria jogo de xadrez para equipes

Nova regra de reabastecimento cria dinâmica interessante de corrida, explica Átila Abreu, da equipe Shell Racing, dono de um dos melhores retrospectos em Goiânia, onde será disputada a terceira etapa de 2016

Depois da Corrida de Duplas, em Curitiba, e da estreia da rodada dupla mas sem pit stop no Velopark, a Stock Car volta ao seu formato consagrado nos últimos anos com duas corridas e possibilidade de diferentes estratégias de parada de box, criando um interessante "jogo de xadrez", como avalia a equipe Shell Racing. Em Goiânia, onde será disputada a terceira etapa de 2016, esta nova dinâmica será garantida com a volta do reabastecimento, o que deixará as corridas mais movimentadas, como explica o piloto Átila Abreu.

"Teremos de volta aquele cenário de estratégias variadas, como na temporada 2014, quando começaram as rodadas duplas e alguns carros iam para táticas meio malucas. Vai ser legal para o público e bem interessante para pilotos e equipes. Com certeza ficará mais difícil pontuar bem nas duas corridas, que é o objetivo de quem quer ser campeão. Você pode ir do céu ao inferno rapidamente se errar a estratégia a partir de agora. Então vamos trabalhar visando o pódio na primeira, que distribui mais pontos", diz Átila, um dos destaques da temporada 2016 até aqui.

O piloto da Shell Racing subiu no pódio na etapa passada, no Velopark, e ocupa a quarta colocação no campeonato, com 29 pontos - apenas oito atrás do líder. E nas duas primeiras etapas do ano Átila teve que fazer corridas de recuperação (largou em último em Curitiba e 17º no Rio Grande do Sul).

"O time já mostrou um fantástico poder de reação e muita competência, e tem minha plena confiança. Sabemos da importância de classificar melhor o carro, principalmente em Goiânia", apontou o vice-campeão de 2014, que tem excelente retrospecto em Goiânia: 2 pole positions (2014 e 2015) e 1 segundo lugar (2014).

Rodolpho Mattheis, chefe da equipe, explica que a partir desta etapa os carros da Stock Car voltam a ter o tanque de combustível reduzido para criar uma dinâmica que exige reabastecimento na primeira corrida - podendo ocorrer no máximo até o 35º minuto na primeira corrida.

"Depois de duas etapas digamos atípicas, agora começam as provas naquele formato característico de rodada dupla e com parada de box, algo que não aconteceu no Velopark. Não acreditamos que será possível fazer as duas corridas sem fazer um pit stop para reabastecimento, mesmo se houver muito safety car (que diminui o consumo)", diz Rodolpho, lembrando que a troca de pneus não deve ser uma prática comum nesta etapa já que o tempo extra perdido nos boxes não é compensado numa pista de pouco desgaste dos compostos.

"Agora sim será uma boa hora de avaliar as estratégias levando em conta que agora a pontuação para o vencedor é bem maior na primeira corrida. É um jogo de xadrez em que vamos ter que calcular o tempo todo as diferentes estratégias para saber qual será o melhor potencial de pontuação nas duas corridas", completa o chefe da equipe Shell Racing, destacando o bom retrospecto do time em Goiânia, onde Ricardo Zonta subiu no pódio da Corrida do Milhão no ano passado.