Pilotos

CBA revê pena imposta a Thiago Camilo

Piloto da Ipiranga Mattheis correu com um efeito suspensivo na Argentina e terá que pagar multa pelo acidente na largada em Londrina

A Comissão Disciplinar da CBA, presidida por Rubens Medeiros e tendo como membros presentes Kenio Marcos Ladeira Barbora, Leonardo Pampillón e Darlene Bello da Silva Said, esta última relatora do processo, decidiu por unanimidade na noite de ontem (terça-feira, 17 de outubro), na sede da entidade, no Rio de Janeiro, transformar a exclusão imposta pelos comissários desportivos a Thiago Camilo pelo acidente na largada da segunda corrida da etapa de Londrina, disputada no dia 10 de setembro, em advertência escrita e multa de 50 UPs (R$ 11 mil).

A comissão entendeu que embora Camilo tenha sido culpado pelo acidente, que envolveu também Max Wilson, Daniel Serra e Márcio Campos, devido ao seu comportamento ilibado em 211 largadas e em sua 15ª temporada na Stock Car, o piloto do Chevrolet número 21 da Ipiranga Mattheis deve disputar na pista e em igualdade de condições com os demais adversários o título de 2017. A exclusão inicialmente imposta ao piloto pelos comissários implicaria em largar no fim do grid na corrida seguinte ao julgamento. Thiago Camilo, que chega à etapa do próximo domingo, em Tarumã (RS), como vice-líder, quatro pontos atrás de Daniel Serra (259 a 255), foi defendido pelo advogado Marcelo Aiquel. O piloto Max Wilson, que atua como terceira parte no processo, ainda pode recorrer ao STJD da CBA.